Ficha do produto
Quem Matou a Mudança?
Resolver o mistério de liderar pessoas através da mudança
Código: 00019
Última edição: fevereiro de 2010
N.º de páginas: 136
Editor: Gestão Plus
ISBN: 9789898115508
Em stock - Envio imediato
 

Sobre o livro

Sinopse
Todos os dias, empresas em todas as partes mundo tentam implementar iniciativas de mudança institucional. Muitas vezes são processos amplos e de custo elevado. Contudo, 50 a 70% deles falham. Alguns sofrem de «morte súbita», mas muitos têm uma morte lenta e dolorosa… Está na altura de resolver o mistério: quem anda a matar a mudança?
Blanchard inaugura com este livro um novo género: o «policial de gestão». Quem Matou a Mudança? é uma divertida parábola que narra as investigações do agente Miguel Meireles. Chamado a uma empresa para investigar a morte de mais uma mudança, o agente Meireles vê-se confrontado com uma lista curiosa de suspeitos, entre eles a líder míope Vitória Visão, a gestora sempre apressada Ermelinda Urgência e uma executiva chamada Clara Comunicação (que ninguém consegue perceber). A solução deste mistério vai certamente surpreendê-lo… e inspirá-lo a tornar-se um agente de mudança eficaz no seu trabalho.

Quem Matou a Mudança? de Ken Blanchard

Detalhes do produto


Quem Matou a Mudança? de Ken Blanchard

Ano de edição ou reimpressão: 2010

Editor: Gestão Plus

Idioma: Português

Dimensões: 141 x 209 x 6 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 136

Classificação: Gestão e Organização

 

Outros livros

Ken Blanchard é director executivo (e espiritual) das Ken Blanchard Companies, Inc., uma empresa de formação e consultadoria em gestão. É conferencista e autor de diversos best-sellers a nível internacional, de entre os quais se destacam O Gestor Um Minuto, em co-autoria com Spencer Johnoson, Bom Trabalho! (Pergaminho, 2003), O Jardineiro Aconselha... (Pergaminho, 2003), O Comprimido da Liderança (Pergaminho, 2004), O Segredo (Pergaminho, 2004) e A Todo o Vapor! (Pergaminho, 2004).
Os seus livros contam já com mais de doze milhões de exemplares vendidos em todo o mundo e foram traduzidos para mais de vinte e cinco

(...)